Há um demónio desagradável escondido por detrás do bloqueio de escritor. Essa palavra de quatro letras representa uma condição que não gostamos de admitir a nós próprios, muito menos proferi-la numa conversa polida.

Sim, é a palavra”M” que é o que lhe bloqueia a escrita.

Medo.

O medo afecta-nos muito mais do que, normalmente, temos o cuidado de admitir, e é especialmente insidioso para os que vivem exclusivamente da escrita. Escrever on-line é uma dessas actividades onde realmente se precisa de escrever frequentemente e os críticos estão sempre à espreita para nos atacar. Mas, como veremos abaixo, a falha e a mediocridade não são as únicas coisas de que temos medo.

A maioria dos medos funciona a um nível subconsciente e manifestam-se sob a forma de procrastinação e bloqueio de escritor. Queremos escrever este romance ou guia de negócios, iniciar aquele blog que vai fazer a diferença, libertar aquele outro artigo que nos comprometemos a escrever ou um relatório que vai impulsionar a nossa autoridade nos negócios… e ainda assim somos nós que nos impedimos de os libertar cá para fora.

Eu não gosto de perder tempo com o pesar e arrependimento, porque é um desperdício de tempo. Mas olhando para trás, vejo que tenho perdido tanto tempo da minha vida de escritor só porque deixei, em abono da verdade, que o medo me segurasse.

E a verdade é que de todas as vezes, que me esforço por seguir numa nova direcção, ainda fico receoso. Acho que isso nunca vai mudar — faz apenas parte do jogo.

A chave está em não deixar que isso o pare.

Vamos detalhar algumas das principais formas de como o medo nos retém como escritores, com algumas dicas para passar a olhar o medo nos olhos, virar-lhe a cara e sentar-se a trabalhar. Lembre-se sempre que a coragem não é a ausência de medo, é só fazer o que é preciso ser feito apesar do medo.

Medo do Fracasso

Inúmeros estudos psicológicos demonstraram que o medo do fracasso é o entrave número um do sucesso pessoal. Temos medo de falhar porque não separamos as tarefas de nós próprios, e, portanto, a nossa auto-estima está em risco todas as vezes que tentamos fazer alguma coisa que queremos, realmente, alcançar.

Por outras palavras, temos medo de ser humilhados, porque ao nível subconsciente, vinculamos a falha à humilhação. Assim como é que nós ultrapassamos o nosso medo do fracasso e o nosso medo da sua companheira a humilhação?

•    Admita que está com medo de falhar;
•    Perceba que de cada vez que falha, se torna num melhor escritor;
•    Reconheça que cada falha o faz chegar um passo mais perto do sucesso;
•    Saboreie a experiência da aprendizagem e rejeite a ilusão da humilhação.

Medo do Sucesso

Mas porque raio, devemos recear o sucesso? É isso que queremos e procuramos, não é? Bem, a forma como nós idealizamos o sucesso pode levar-nos subconscientemente a evitá-lo, porque nós sabemos por experiência própria que o sucesso traz alterações inesperadas, junto com a viagem.

Nós preocupamo-nos porque achamos que não merecemos o sucesso ou que o sucesso vai trazer um aumento de expectativas que depois não sejamos capazes de cumprir. Ficamos com medo que os nossos amigos e família fiquem ressentidos ou com ciúmes, e que a responsabilidade que vem com sucesso nos esmague. Por outras palavras, a nossa imaginação vívida fala-nos de fazer as coisas que são preciso fazer para ter sucesso, só assim podemos evitar alterações inesperadas.

Lembre-se destas coisas para lutar contra o medo do sucesso:

•    A mudança aparece mesmo que tenha sucesso ou falhe. Por que não ter sucesso?
•    O Fernando Mamede foi um dos meio-fundistas com maior relevo em Portugal, e deteve o recorde mundial dos 10.000 metros entre 1984 e 1989, no entanto, é recordado pelo seu medo do sucesso, ao desistir da prova nos Jogos Olímpicos.
•    Não se pode esquecer que é dono do seu trabalho, não dos frutos do seu trabalho. Faça o que o apaixona e não se preocupe com as consequências.

Medo da Rejeição

O nosso medo da rejeição é o mais óbvio e evidente de todas as influências que nos impedem de escrever. A elevada incidência do álcool e do abuso de drogas entre aqueles que procuram a vida da escrita pode muitas vezes ser ligado directamente com o medo simples que o nosso trabalho não é suficientemente bom, e que uma rejeição ao trabalho é uma rejeição à nossa pessoa.

Como podemos evitar o medo da rejeição? É fácil, não fazemos nada. O que pode ser uma forma de resolver o problema, mas que nos leva a uma vida por cumprir e a tendências auto-destrutivas.

•    Lembre-se, nunca vai agradar a toda a gente. Só tem apenas de encontrar e agradar ao seu próprio público.
•    Trate a escrita como se fosse um exercício físico. O facto de que não poder boa imprensa hoje não faz de si menos boa pessoa, mas pode trabalhar para isso, não pode?
•    Alimente a rejeição. Faça-a sua e coloque-a a trabalhar para si para se tornar melhor e mais forte.

Medo da Mediocridade

Alguns escritores não podem cumprir um prazo nem para salvar a vida, porque dizem eles – por cada cinco palavras que escrevem, apagam sete. O nosso medo da mediocridade manifesta-se como perfeccionismo e o perfeccionismo impede-nos de simplesmente colocar as coisas cá fora e resolvê-las para serem melhores ao longo do tempo. Com esta abordagem, acabamos por falhar em tudo.

E agora, se pensar nisso, vou perceber que este artigo nunca irá ser suficientemente bom, não importa o tempo que gastar com ele. Na verdade, porque raios estou a escrever um blog? Mas será que foi para fazer isto que fui colocado neste planeta?

Em seguida, respiro fundo e passo a escrever as dicas para lidar melhor com o medo da mediocridade.

•    Nunca ninguém será completamente perfeito, portanto deixa-te disso.
•    De todas as vezes, a acção bate sempre a inacção.
•    Completar qualquer coisa faz sentir-nos melhor do que não realizar nada.

Medo do risco

É realmente melhor prevenir do que remediar? Às vezes, sim. Mas quando se trata dos seus sonhos de escrita e objectivos, ser seguro é um destino pior do que a morte. Não só faz morrer os sues sonhos, mas como irá viver o resto da sua vida sabendo isso.

O nosso cérebro trabalha neste assunto, contra nós. Nós somos desenhados para adoptar a consistência, a segurança e a familiaridade, mas aquele que se atrever a procurar territórios desconhecidos (out of the box) reclamará os despojos. Na verdade, não importa quando consegue, precisará sempre de continuar a insistir em novas áreas e continuar a assustar-se propositadamente, portanto, só tem de se acostumar a isso.

•    O que é o pior que pode acontecer? Na maior parte das vezes, não é assim tão mau.
•    Assumir riscos aumenta a auto-confiança. Cada vez que sobrevive, prospera.
•    Olhar antes de saltar? Basta! Salte.

Em Resumo

Sim, a escrita é assustadora. Mas, comparado a ser comido por um leão enquanto pasta num prado verde, não é o melhor, convenhamos que ficou com a melhor parte. Compreenda que é o seu próprio pior inimigo, quando se trata da escrita é inestimável, porque pode ganhar a batalha e conquistar esse inimigo apenas só por tomar uma decisão.

Então… faça-o

 

 

 

About Rui Lemos

Rui Lemos, nasceu em Lisboa, Portugal, em 1959, sempre foi empreendedor desde tenra idade. Esta sua tendência para o negócio deu-lhe uma visão desempoeirada da vida, pois sempre pensou pela sua própria cabeça. Fez o liceu em Oeiras, perto da praia o que veio também a influenciar o seu desejo de liberdade e de gozar o tempo de lazer. Fez serviço militar na Força Aérea Portuguesa, na área da electrónica, foi profissional da IBM por quase 20 anos, a sua carreira foi de técnico de computadores, a técnico de software até gestor, sendo formador do Instituto IBM, autor de manuais técnicos e de vários livros, entre eles o Best Seller com 23 edições “O Fundamental do Windows 3.1″, conheceu o marketing de rede em 1983, mas não foi financeiramente compensador, ficou só o "bichinho". Voltou ao MMN, em 2004, com a Bia Pomar, sua mulher, onde conheceu a Cesarina e o Silvio Fortunato. Fez parte do grupo fundador do Magnet System e do Inner Circle, com a Bia Pomar e o Rui Gabriel, sendo hoje um profissional do internet marketing e do marketing multinível, é autor de vários blogs entre eles www.RuiLemos.com, um blog que fornece dicas sobre internet marketing, marketing multinível, formação e empreendedorismo para profissionais ou amantes do internet marketing e www.escritamilionaria.com dedicado ao Copywriting, Content Management, SEO Copywriting. Foi co-fundador do grupo de internet marketers Lazy Millionaires League que se dedicam a ajudar os novos a encontrar o seu caminho, é também afiliado All In do Empower Network.